quinta-feira, 25 de junho de 2020

Excep[t]ional


País Excepcional

diversos eventos de grande significado comprovam a grandeza deste Portugal
repare-se tratar-se de enumeração não exaustiva 
(a memória é ingrata *) 


1. 
25 de Abril
"íamos agora mascarados...", "pode-se fazer porque o edifício é grande." 
Pela Graça do Senhor beneficiou de ajuste de sanidade.

2. 
1 de Maio
"foi um exemplo de organização", excepto na gestão de acesso às camionetas. 
não será de desconsiderar a possibilidade de os manifestantes se terem miraculosamente materializado nos seus lugares para a fotografia, bastando depois pestanejar para acordarem incólumes em casa. 
é sabido que jornadas de luta pelos trabalhadores e o povo conferem imunidade à sanidade proporcionada pelo mero senso comum. 

3. 
13 de Maio
Graça Freitas, futura comendadora, não vê inconveniente, 
desde que cumpridas as regras.
O clero, já velho na intriga política ainda as democracias eram jovens, não se deixa cair na armadilha. 

4. 
[* data irrelevante para o argumento] 
A tourada no Campo Pequeno, PR e PM visivelmente felizes com a persistência do milagre, que foi fruto de: muito trabalho; milhares de profissionais de saúde vítimas de contágio. 

5. 
[* data irrelevante para o argumento] 
manifestação anti-racismo internacional / concentração juvenil
"as ruas são estreitas", "foi autorizada, mas não pensava que seria assim" 
gente em pandemónio, sem qualquer respeito pelas regras sanitárias, e alguns hilariantes cartazes gritando "quem não se manifesta é cúmplice da opressão branca". 

i. 
eventualmente recorrente 
para não hostilizar a bolsa funda dos comunistas em Setembro, estão permitidos os ajuntamentos de natureza política, decisão que caucionou directamente a excepção n. 5, a muito próxima nova jornada de luta da CGTP, o eventual comício do inenarrável Ventura, a permanente campanha eleitoral do sr. PR Marcelo - que, com a falta de pudor que o caracteriza, até em cerimónias fúnebres se intromete -, 
e, espero e apreciaria, embora na infelicidade do conjuntivo, 
uma manifestação dos operários da construção civil - de satisfação e aplauso pelas condições e horário de trabalho que tanto lhes alegram o quotidiano. 

i+1. 
o Ser e a bola
a uefa, organismo de grande reputação na área dos negócios pouco transparentes e recentemente também organismo internacional de saúde pública, já equaciona jogos com adeptos, que estão actualmente impedidos na competição nacional. 
infelizmente não se realizam jogos da bola em salas de cinema. 
em contrapartida, nada é verdadeiramente impossível em Portugal. 


variedades

"Os portugueses têm de ajudar a TAP", afirma o rapazinho que recebia prémios através das contas bancárias dos pais, e que ninguém sabe muito bem como lá foi enfiado. Quer dizer, saber sabe-se, mas não é assunto para espaço tão insalubre. 

A sra directora-geral da saúde continua sorridente e entusiasmada e até vem acenar à varanda após a manifestação de mais uma classe de esquecidos, evocando pouco saudosas memórias das monarquias europeias e outros peculiares regimes, presentes e passados. 

O sr PR Marcelo continua em campanha eleitoral e entretém-se a anunciar medidas que extravasam as suas competências, enquanto ministro oficioso da propaganda deste aparentemente alucinado governo. 
Se a situação piorar, e descermos do nível de alerta milagre para o nível de alerta deitem as mãos à cabeça e corram pelas vossas vidas, regressará ao retiro espiritual. Pelo caminho que isto leva temo que acabe em convento ou eremitério. 

O sr PM Costa, visivelmente desorientado, já voltou a engolir sílabas inteiras nas suas homilias à comunicação social, facto que é sempre motivo de pessimismo, céu a passar gradualmente de um apaziguador cor de rosa a um cinza preocupado. 

Os mesmos oportunistas que saltam para a frente de qualquer microfone quando a situação lhes parece controlada na narrativa (só os políticos poderiam ter acabado por destruir a elegância daquela palavra) são os mesmos que rapidamente lhes fogem quando o tom das críticas se torna incómodo. 

Pasme-se, até alguns dos comentadores acomodados já mostram indícios de exasperação com a manifesta falta de liderança destas nulidades todas juntas. 

E recomeçou a época de incêndios, malditos esquilos. 
Dá uma grande sensação de confiança ver o Cabrita cambaleante, logo seguido de perto pelo Magina, que usa o peso das medalhas para manter a forma física.


Seja o que Deus quiser.

Não há plano mas, pelo sim pelo não, 
Continuamos ON. 

Sem comentários:

Publicar um comentário